terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Boas Festas


Não pares...



O mau tempo não nos larga...

Mas isso não é motivo para abrandar.
É nesta fase que se testamos as próprias capacidades intelectuais. A questão é sempre a mesma. "Está a chover, está frio. Será que vou aguentar o treino?"
Custa muito, ao anoitecer, vestir o equipamento, sair de casa de levar com granizo na cara, tal como me aconteceu Domingo passado.
Ir treinar às 20h de um Domingo, com chuva gelada, vento cortante e a recuperar de uma gripe recente. Estarei maluco???
Talvez, mas o prazer é tanto que vale bem a pena.

Entrei em ritmo de preparação para 2010 e não vou vacilar.
Indoor cycling, natação, musculação, corrida, estrada e monte fazem parte do dia-a-dia.

O meu companheiro fiel... o meu Polar S725. Até dorme comigo e a trabalhar.
Registei batidas cardiacas mínimas de 24 e 28 BPM em duas noites diferentes. Isso é o que se chama uma boa frequência cardiaca em repouso :-)

Para já, está em mente, um 2010 cheio de desafios... Douro Bike Race, Geo-Raids, X-Quest, entre outras maratonas oficiais e piratas. Acima de tudo, MUITA DIVERSÃO COM PEDALADA.

A integração na Equipa Trilhofiction Cross Racing traz grande responsabilidade, há que corresponder às expectativas.

Bons treinos, meus amigos.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Cape Epic 2010



Aproxima-se mais um Cape Epic. Em 2010 terá lugar entre 21 e 29 de Março.
Os 1.200 atletas contarão com 8 dias de prova, 722 Km, 14.635m de acumulado.

Quem sabe?...! Seria um regresso muito interessante.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Campeonato Nacional de Maratonas 2009














Esta prova foi marcada por um azar, ainda antes do dia... a lesão do António Silva, nas costas.
Por muita vontade que se tenha em fazer um Campeonato nunca corre bem quando se está bastante lesionado. Essa triste notícia deitou por terra a possibilidade de trazermos o título de Campeão Nacional de Veteranos B.
Também o nosso Myro não pode estar presente. Para azarar ainda mais as coisas tinhamos o Rui Lima com uma dor de garganta e o Cláudio Costa a recuperar de uma semana bastante "constipada".

Partimos sábado de manhã, véspera, na nossa Iveco de 10 lugares.
Ao fim da manhã estavamos em Lisboa e pouco depois a almoçar num restaurante madeirense no Montijo. Passamos uma boa parte da tarde em direcção a Sagres pela Costa Vicentina nas belas curvas alcatroadas da Nacional.

Ao final da tarde, e nas calmas, lá chegamos a Pedralva para levantarmos os dorsais e frontais, chips e indicações para a prova. Após uma animada conversa com o organizador, o Sr. Ramiro, lá nos direccionamos para a famoza pizaria de Pedralva, que já só tinha uma mesa de 4 onde coubemos 5.

Domingo lá nos levantamos ao som da Cabritinha do Zé Manel às 7h da manhã. Feitos os preparativos e tomado o pequeno almoço lá foi altura de nos dirigirmos para Pedralva. Chegados ao local da partida, houve ainda muito tempo para um aquecimento e preparativos finais.

Com algum atraso lá se fez o briefing, a chamada por categorias e a partida para uma prova que se adivinhava rápida mas, mesmo assim, dura.

Dada a partida, lá foram as centenas de atletas em direcção aos diversos tipos de percursos. Marcada com um início a descer ligeiramente durante uns 5 km e logo a seguir por uma subida que nos levou logo acima das 190 btm. Pouco depois da partida lá se juntou a mim o Rui Lima e começamos a encontrar um ritmo comum. Era já nossa intenção fazermos a prova juntos, caso fosse possível. Pouco depois estavamos a encostar-nos ao Cláudio que tinha partido à nossa frente na categoria de Elites. Alguns km rolantes em conjunto e comecei a descolar-me dos colegas de equipa pois estava integrado num grupo de roladores.

Chegamos ao 1º abastecimento, perto da praia, e decidi abrandar um pouco o ritmo pois os colegas estavam para trás e a partir dali ia subir um pouco mais e precisava do Rui para me ajudar a trepar. Passados uns minutos lá vem o Rui no grupo da Celina e alguns elementos da Barbot que vinham a trabalhar para ela. Perto andava, também, a Andreia Moço (que fez comigo o curso de instrutor certificado Schwinn). Bastantes km a rolar, a subir e a descer até que surge uma subida maior e o Rui descola. Comecei a sentir o pouco treino feito, a pouca preparação e o cansaço acumulado de várias semanas de trabalho desgastante.

Ainda antes do 2º abastecimento, ao km 58, apareceu a parede do dia... uma subida com 100m de comprimento e muito, mas muito, inclinada. Toca a desmontar e a levar a Scalpel pela mão, com muito custo. Além da subida íngreme o calor apertava. No final dessa subida foi altura para constatar que não havia água no abastecimento. Após 10 minutos agonizantes e muitas reclamações lá chega a organização com garrafões de 5l de água. O estrago estava feito. Demasiado tempo parado e a ver diversos atletas a passar por nós, aqueles que têm um equipa organizada e que fazem os próprios abastecimentos durante a prova sem dependerem da organização (é um ponto negativo na nossa equipa, ainda não temos elementos para nos fornecerem comida e bebida durante a prova).
Lá arrancamos, eu e o Rui, pelos estradões fora, encostamos a um grupo bastante rápido e pela beira das falésias fazia-se sentir algum nevoeiro que veio ajudar a refrescar. O Rui encontrava-se bastante bem e foi com alguma dificuldade que me fui agarrando a ele. Até que descolou e só o fui buscar no 3º abastecimento.

Após a recolha de uma garrafa de água, lá seguimos para os km finais. Rolamos em estradões que teimavam em ser demasiado ondulados para se considerarem simples e rápidos. Tempo de meter um gel pois era preciso

Após uma zona de muita areia o Rui foi quebrando e curiosamente fui-me restablecendo. Falntavam apenas meia dúzia de km até ao final e o Rui obriga-me a descolar para evitar que fosse absorvido por um grupo de "A's" que vinha atrás. Senti-me forte e foi sempre a abrir até ao final com a vantagem de ter ido buscar mais 2 lugares, um a um veterano A e outro a um Elite.

Começavam a aparecer as placas de 1km, 500m, e... a Meta. Estava feita a Maratona.
Passados 3 minutos chega o Rui e lá nos sentamos na meta a apreciar quem já lá estava e quem ia chegando.

Tempo para encontrar o Tiago Aragão na Meta, trocar umas impressões e perceber como tinha sido a frente da corrida.

Fomos bebendo umas águas, e chegou o martírio do Rui... as caimbras no final das provas... até gania deitado no chão agarrado às pernas.

Não havia sinal do Cláudio nem do Zé Manel. Até que o Zé Manel chega, vai dar uma volta para relaxar e encontra o Cláudio a descansar na carrinha. Tinha desistido pois não se sentia bem face à recuperação da gripe.

Feita a maratona toca a fazer o rescaldo dos tempos...
Cláudio Costa - Elite - DNF
Ricardo Pereira - Vet. A - 33º lugar - 4:54:39
Rui Lima - Vet. B - 15º Lugar - 4:57:40
Zé Manel - Vet. C - 5º Lugar - 5:48:02

Vitória nas seguintes categorias:

Elites: Luís Leão Pinto - 3:48:28
Vet. A: Rui Lavarinhas - 3:48:31
Vet. B: José Henriques - 3:55:17
Vet. C: Carlos Cabrita - 4:15:58
Fem: Andreia Moço - 4:35:04

Fotografias, Videos e Rescaldo ForumBTT...








terça-feira, 1 de setembro de 2009

Gaia / Algarve

Em mente está uma novo desafio... Gaia/Algarve via N1... num dia. Está a ser cozinhado. Logo se verá como vai ser.

Nocturno Gondobike

Ontem à noite, segunda-feira 31 de Agosto, liguei ao Rui Lima (Cross Racer) e perguntei-lhe se havia passeio nocturno da praxe. Começava passados uns 15 minutos.
Jantei às pressas e à hora marcada lá nos encontramos na praça da Ponte das Barcas, à entrada da Ribeira.
Cerca de 8 bikers e uma menina. Apenas 2 rígidas... o resto eram máquinas de free-ride... estava tramado. Para onde é que estes gajos me levam?
Lá partimos pela marginal do Porto fora e entramos nos percursos do Porto Romântico. Após varias passagens por bairros típicos do Porto, uns camarários, outros todos chiques, lá entramos num percuro de terra batida... era algo familiar mas não percebi logo que estava a rolar às escuras pelo Parque da Cidade. Que coisa fantástica, quase 10 bikers a rasgar pelo parque fora com os pirilampos, feitos uns meninos divertidos. Chegados à Praia do Titan, tempo para um gelado. Mais uma entrada no Parque da Cidade e passagem pela Foz Velha, no correrio das calçadas estreitas.
De volta à marginal e tempo para o sprint final até à Ribeira do Porto, com turistas e um espectáculo barulhento que ninguém percebeu o que era.
Destaque para uma passagem em terra batida, bastente longa, com areia e pó solto, bastante longa perto da Rotunda da Praça do Império.

Gaia / Fátima por estrada numa BTT


A Porta de Armas, olhem-me a cara do Rasteirinho, no chão, tipo a dizer: "estes senhores não me deixam entrar no supermercado, mas está tudo bem... já os lixo"
















No passado dia 23 de Agosto, uma parte da matilha dos Cães do Monte reuniu-se e fomos a Fátima em BTT. Uns com slicks, outros com tacos, lá nos juntamos e arrancamos eram quase 8h da manhã.

Às 8h tiramos a foto da praxe, antes do arranque. Seis gajos cheios de Fé... Eu, Paulo, Né, Ribeiro, Toni e o Miguel (primo do Toni).




Mal chegamos à descida para as praias de Gaia ficamos cobertos por um nevoeiro gelado e um vento Sul que persistiu em nos contrariar até Leiria.



O percurso estava traçado, via N109, até ao destino...



O grupo seguiu caminho e lá paramos antes de Mira para o 1º abastecimento. Mais uma rodada de pedalada para toda a gente e fizemos a 2ª paragem antes da Figueira da Foz. Com direito a Coca-Cola e Gelatinas. Ganho mais um bocado de fôlego e seguimos caminho até à 3ª paragem do dia logo após a Tocha. Paragem mais longa com direito sandes de presunto, e bebidas de vários tipos. Arrancamos dessa paragem mais demorada e chegamos a Leiria, já com o Sol totalmente a descoberto. Por lá ficamos à entrada de um Centro Comercial pequeno a ver OVNIS do tipo balão.



Com mais um lanche metido no bucho, queixas de cansaço de uns e de outros lá nos enfiamos em cima das burras e toca a fazer a subida do dia até, quase, a Fátima.

Todo espirutuoso, o Paulo começa a rasgar alcatrão por lá cima até que lhe puxam a ficha. Parei com ele num tasco e pode-se dizer que ele foi salvo por uma sande de queijo fresco e marmelada. O resto do grupo aguardava mais à frente uns 3 km.
Quando chegamos ao grupo dos 4 o Paulo já estava com a pika toda e lá fomos os 2 a puxar pelo pessoal. Era a emoção dos kilometros finais. Estavamos quase com 220km e alguns familiares estavam à nossa espera.



Pelo meio ficou um passeio marcado apenas por um pequeno azar - a corrente partida do Paulo.

De resto foi pura diversão num treino de muita qualidade com cerca de 220km percorridos num total de 7h12'. Isso dá uma média de 31km/h, o que numa btt parece-me muito bom.

A camaradagem esteve sempre lá, o grupo nunca se partiu, quem mais tinha pernas puxava, quem mais tinha dores era apoiado pelos colegas. Foi um passeio à moda antiga dos Cães do Monte. Um passeio de amigos sem herois nem vencedores ou vencidos.

No fim do passeio fomos surpreendidos por um mega-lanche proporcionado pela família do Toni, onde nós, sem qualquer resquício de vergonha, estraçalhamos tudo, ou quase tudo... é que a comida era demais... Obrigado Toni, estava excelente.

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Taça de Portugal de Maratonas XCM#5 Sertã


António Silva, 2º Classificado Veteranos B

Foi no passado dia 26 de Julho que parte da equipa se deslocou à Sertã para "fritar" sob um Sol aterrador numa maratona que foi considerada como uma das mais duras já efectuadas.
A equipa foi representada pelo António Silva, Rui Lima, Cláudio Costa, Zé Manel e eu.
Com 83km de extensão e acumulado perto dos 3.000m. 44 graus de temperatura máxima registada e muitas desistências por parte de atletas de todas as categorias.


Pódio Veteranos B


sexta-feira, 19 de junho de 2009

O Retorno...


Ao fim de algum tempo sem ter tempo para me dedicar a teclar e a pedalar, como gostaria, aqui fica um pequeno post.
A vida familiar não é fácil, por vezes, e isso faz-nos bem ou, outras vezes, mal.

Mas bem ou mal lá fui hoje dar uma volta com o Paulo (cão do monte raçudo) e encontrei um outro grande atleta, o Sérgio Gaião (que um belo dia teve-os no sítio para se posicionar perante a vida e as bikes, bem como o desporto em geral).

Conversa para um lado, conversa para o outro, comentários sobre a ida do Paulo a Fátima, por monte, num único dia com cerca de 260km e muito acumulado e chega a hora de mais uma loucura... ida a Santiago de Compostela num único dia... com cerca de 250km desde o Porto até lá.

E assim se mete um amigo numa loucura. Para breve iremos a Compostela, pelo caminho normal, com muita estrada no início e muita pedra do meio em diante. Como seria normal fariamos esse percurso em 3 ou 4 dias, dependendo da vontade. Como somos anormalmente cães do monte e leão cabanense, vamos num único dia.

A correr bem será já dentro do mês de Junho ou início de Julho. A ver, vamos...
Para já fica a vontade, depois vemos se há pernas para o dia todo.
Ah, já me esquecia... não vamos levar apoio logístico nem sacos pendurados. Será com camelback, no máximo.

Em breve darei mais dados sobre o pequenino passeio a Espanha via setas amarelas.